AS TEMPLÁRIAS

Sobre as Templárias

As Templárias, ou, em francês, Templières, é uma Irmandade muito antiga fundada em França, entretanto difundida pelos países vizinhos. Como o próprio nome indica, a ordem feminina surgiu num contexto especifico na sequência, mas distinta, da Ordem dos Pobres Cavaleiros de Cristo e do Templo de Salomão (Templários), a Ordem Religiosa Militar dissolvida em 1312.   


Trata-se de uma organização internacional terminantemente caracterizada pelo rigor e o recolhimento. A sua gnose segue um desenvolvimento permanente. Por outro lado, à luz dos novos tempos os princípios basilares da ordem, assim como as regras, a devoção e a autoridade espiritual, permanecem vetustos, impolutos e imutáveis. Muitas tradições de índole Sagrado persistiram de facto, sendo que grande parte das celebrações continua formalizada em latim e francês.   


Apesar da sua particular discrição, enquadrada na tradição ocultista e esotérica ocidental, na verdade esta ordem ficou publicamente conhecida através dos manifestos de 18 de Março de 2014. Este novo ciclo foi equacionado depois de analisada a série de sinais minados detetados em solo europeu. O agendamento da data da declaração teve em conta a celebração do 700º aniversário da morte de Jacques de Molay (1314), último grão-mestre da Ordem dos Cavaleiros Templários, organizada pelas Templárias na cidade francesa de Metz. O evento foi assinalado com a produção de diversos artigos, dentre os quais a criação de uma medalha comemorativa alusiva ao martírio de Molay (entregues aos membros da ordem e a algumas instituições locais).


Sediada em Portugal, mais precisamente em Tomar desde o início do século XXI, vigésimo primeiro século da Era Cristã, a ordem, oriunda da Irmandade original, devido à sua complexidade, possui em 2019 aproximadamente 50 membros apenas (e de diferentes nacionalidades). Até então muito pouco conhecidas para o mundo e detentoras de um importante património histórico composto por tradições, documentos e bens ancestrais, fazendo ainda alusão ao elevado conhecimento esotérico e místico, as Templárias prosseguem sua evolução em retiros próprios e na mais arraigada reserva.

Na herdade, as infraestruturas afectas ao culto da Ordem, formalmente intituladas como Complexo, situam-se na zona centro. Domínio dos oráculos e ritos, o conjunto de estruturas estilisticamente diversificadas referencia o sagrado e o divino. A Capela foi erguida neste local.

Nome, divisa e insígnia

Nome completo oficial da organização: As Templárias (sem títulos nobiliárquicos) 


Divisa: Unies Par La Raison (em português Unidas Pela Razão). Os preceitos das Templárias enfatizam o respeito, a lealdade, fidelidade, etc. Os baluartes mais recorrentes assentam na justiça, honra e bravura, assim como na firmeza e eficiência. Importa salientar, incomplacência aparece em todos os casos comumente proeminente — culminando num estatuto de culto austero que perdura até hoje.


Em termos de heráldica, emblemas e distintivos, o ressurgimento (público) das Templárias, em 2014, trousse com ele sinais figurativos. A insígnia, cuja composição visual concilia a sigla com outros atributos da Ordem, como as vestes, entre outros, foi revelada em Março de 2014. Seguindo o preceito de uma assinatura gráfica, todo o artigo oficial representando a Ordem possui a insígnia incorporada (algumas vezes suportada pelo escudo ou cartucho). 

image3

Sinete munido da insígnia das Templárias

Herdade das Templárias

image4